segunda-feira, 5 de março de 2018

Companhia Bagagem Ilimitada anuncia residência em Laranjeiras.



Texto e Fotos: Samyta Nunes.

Em seu terceiro ano de atividades a companhia teatral Bagagem Ilimitada se instala no bairro de Laranjeiras para uma residência de um ano. Até março de 2019 o casarão nº38 da rua Alegrete será o QG da trupe, que se propõe a fazer do lugar um espaço de experimentação, ensaios abertos, performances e outras possibilidades artísticas nesse período.
Desde a sua fundação a companhia aposta na dramaturgia própria e pesquisa de linguagem como elementos para movimentar a cena teatral brasileira. O repertório do grupo é bastante versátil e tem desde projetos como o “Evoando na Praça” - que ocupa espaços públicos levando contação de histórias para crianças - até o espetáculo “E o mar já não existe”, livremente inspirado na obra “Um Homem: Klaus Klump” de Gonçalo M. Tavares e que tem como tema a violência em tempos de guerra e fez sua última temporada no teatro Laura Alvim, em Ipanema.
No casarão de três andares rodeado de mata verde, além de uma grande sala de ensaios há ambientes alternativos a serem explorados. Jacyara de Carvalho, atriz, dramaturga e cofundadora da companhia, comenta: “Era um desejo nosso ocupar um espaço para desenvolver nossas pesquisas cênicas e repertório. E numa visita ao casarão em fevereiro, o ator e apresentador Luís Carlos Gomes, dono da casa, nos convidou para a residência de um ano. Celebrando o terceiro ano da Bagagem, nosso objetivo é trabalhar e realizar nossos projetos como um ato de resistência. É um gesto político poético, uma forma prática de continuar produzindo com nossos próprios recursos e parceiros, fazendo deste um terreno fértil para arte teatral e cultura carioca.”
Para PV Israel, também cofundador, ator, diretor e dramaturgo da Bagagem Ilimitada, a nova residência tem um significado especial. Formado pela CAL - Casa de Artes de Laranjeiras, ele retorna à rotina de ensaios e criação no bairro e se entusiasma com os frutos que virão da empreitada: “Para o futuro vamos continuar com a peça ‘E o mar já não existe’ e dar continuidade a outros projetos autorais programados para 2018. Queremos, em meio ao caos, nos fortalecer como companhia e resistir às incertezas que nos assombra. Nossa residência nos ajuda a continuarmos a lutar pelo nosso trabalho.”
Junto com Stefania Corteletti e Hugo Grativol, que integram o elenco e somam forças ao projeto, a Bagagem Ilimitada convida a toda comunidade artística e o público para embarcar também nessa nova aventura. A casa está de portas abertas!




Nenhum comentário:

Postar um comentário